3295-4004
famig@famig.edu.br

CPA

Processo de autoavaliação institucional

O objetivo geral da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Minas Gerais é a implementação do processo de autoavaliação, a sistematização e a prestação das informações solicitadas pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP. Para a concretização desse objetivo, a CPA deve desenvolver em sua metodologia de trabalho os seguintes procedimentos:

  • Analisar as ações da instituição, tomando como base as dez dimensões previstas pelo SINAES;
    • Identificar potencialidades e fragilidades relativas ao contexto acadêmico e administrativo, bem como propor ações de melhoria dos processos;
    • Estabelecer um elo entre a comunidade acadêmica e os gestores da instituição;
    • Nortear e acompanhar as ações de melhoria realizadas, a partir dos relatórios produzidos ao final de cada processo;
    • Desenvolver uma cultura de avalição permanente entre os diferentes públicos envolvidos na IES.

Refletir sobre o processo de autoavaliação institucional é um passo fundamental para que se promovam ações significativas que possam resultar na melhoria do processo educacional. Nesse sentido, destaca-se o conceito de avaliação institucional apresentado por Voos (2004, p. 29), como “uma atividade organizadora, sistemática e orientadora da reflexão das ações de uma instituição de ensino, como também, uma opção política de (re)significação e (re)conceitualização de suas práticas”.

Destacam-se importantes aspectos que caracterizam a avaliação institucional: o resgate e a organização de dados, informações e saberes; o resgate e interpretação dos significados das práticas; a produção e socialização da existência da vida institucional e a validação de sentidos, traduzida na imagem conferida pela marca, pela efetividade do fazer institucional e pela relevância social das ações.

O processo de construção da autoavaliação na IES deve retratar o compromisso institucional com o autoconhecimento e sua relação com o todo, em prol da qualidade de todos os serviços que ela oferece à sociedade. Compreende-se, desse modo, a autoavaliação como um forte instrumento de gestão, que pode promover resultados eficientes, que demonstrem com maior fidelidade o retrato da instituição.

Nessa perspectiva, a Faculdade Minas Gerais propõe um modelo de autoavaliação institucional, concebido como um processo de caráter diagnóstico, formativo e de compromisso coletivo, cujo objetivo é identificar o perfil institucional e o significado de sua atuação por meio de suas atividades relacionadas ao ensino, pesquisa e extensão.

Ressalta-se a importância de se adotar um modelo de autoavaliação institucional com foco na gestão de processos. A avaliação se configura, desse modo, como um movimento sistêmico, capaz de fornecer subsídios, em suas dimensões política, acadêmica e administrativa, para o autoconhecimento institucional e o aprimoramento da qualidade da gestão, do ensino, das atividades de pesquisa e extensão, bem como para as revisões necessárias do PDI.

Um dos instrumentos que contribui para a realização da avaliação são os questionários avaliativos eletrônicos, implantados para facilitar a coleta de dados e organização das informações, otimizando, assim, os trabalhos da CPA e o acompanhamento do processo de melhorias.

A avaliação favorece, de forma integrada, a organização do processo de tomada de decisões por parte dos gestores, a melhoria da qualidade das ações praticadas, o cumprimento da missão, a consolidação dos seus princípios e valores, bem como o fortalecimento da imagem e identidade desta instituição.

A avaliação tem como principal fim, o planejamento, para que, à luz das experiências vivenciadas, seja a caminhada projetada para o futuro, sempre buscando atender melhor o alunado.

A execução — preparação, desenvolvimento e consolidação — do Plano de Avaliação Institucional da FAMIG, abrange as seguintes etapas:

a) Replanejamento do processo avaliativo:

  • Institucional (presente em todas as etapas do processo avaliativo);
    • Análise de experiências, em nível de educação superior, sobre avaliação institucional.

b) Elaboração / reelaboração de instrumentos avaliativos:

  • Aplicação dos instrumentos avaliativos;
    • Definição de estratégias e de instruções de aplicação dos instrumentos;
    • Aplicação propriamente dita dos instrumentos;
    • Organização dos instrumentos respondidos, incluindo a purificação de dados;
    • Abrangência das 10 dimensões do SINAES.

c) Sistematização dos dados coletados em documentos básicos (relatórios parciais):

  • Processamento eletrônico (apuração e tabulação de dados);
    • Categorização das questões abertas;
    • Compilação de documentos complementares sobre a organização institucional;
    • Organização de relatórios parciais.

d) Realização de Seminários de Avaliação:

  • Organização de quadros-síntese de informações (aspectos positivos, negativos e potencialidades institucionais);
    • Proposição de prioridades e de estratégias institucionais.

e) Organização de documento geral conclusivo:

  • Produção textual do documento;
    • Editoração do documento;
    • Editoração de gráficos e tabelas demonstrativas.

f) Divulgação dos resultados obtidos no processo avaliativo;

  • Âmbito institucional;
    • Âmbito comunitário.

A CPA vem aperfeiçoando suas estratégias de divulgação, tanto do processo avaliativo, quanto da divulgação dos resultados, o que tem sido meta da equipe desde o início de sua gestão. Para isso, a CPA tem buscado divulgar cada vez mais os resultados da avaliação institucional, com o objetivo de que, cada setor, diante das médias obtidas, tenham condições de implementar mudanças ou melhorias em seus serviços e processos.

.Autoavaliação institucional: participação da comunidade acadêmica

Dado a complexidade dos assuntos a serem analisados, a instituição optou estabelecer a composição da CPA com um representante da direção, um representante da coordenação, um representante do corpo docente, um representante do corpo técnico-administrativo, dois representantes do corpo discente e, finalmente, um representante da comunidade.

Essa composição possibilita que as visões e percepções dos diferentes segmentos representados na Comissão sejam contempladas no processo de diagnóstico e análise das práticas da IES, resultando em um processo de avaliação coletiva e democrática mais consistente.

Em fevereiro de 2014, constituiu-se nova CPA com o objetivo de promover o processo de autoavaliação institucional relativo ao ano de 2014. Antes mesmo de iniciar esse projeto, a coordenadora da comissão sentiu a necessidade de reunir-se com os demais membros, com vistas a refletir sobre:

  • A importância da autoavaliação institucional; os objetivos e funções da CPA;
  • A Lei 10.861, de 14 de abril de 2004, que instituiu o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES) no Brasil;
  • O instrumento de avaliação das Instituições de Ensino Superior (IES), ressaltando-se suas características e as dimensões avaliadas;
  • Os formulários de avaliação de docentes, discentes e técnicos administrativos;
  • Os relatórios de autoavaliação relativa aos anos de 2011 e 2012;
  • O processo de autoavaliação institucional relativo a 2013;
  • A proposta de elaboração do relatório;
  • A divulgação dos resultados.

A partir desse primeiro encontro e das decisões tomadas, formalizou-se o processo de autoavaliação institucional relativo ao ano de 2014, cujo relatório encontra-se disponível no site.

Novamente, em 2016, nova CPA foi constituída para avaliar os relatórios e os questionários das avaliações passadas, aperfeiçoar os questionários, em especial do EAD, além de continuar a cumprir os objetivos da Comissão. Analisando-se o trabalho desempenhado pela CPA desde sua criação, pode-se ressaltar a nova cultura de crescente participação de docentes, técnicos administrativos e alunos, no processo avaliativo.

Confira o relatório de cada avaliação:

Relatório Avaliação Institucional 2008

Relatório Avaliação Institucional 2009

Relatório Avaliação Institucional 2010

Relatório Avaliação Institucional 2011

Relatório Avaliação Institucional 2012

Relatório Avaliação Institucional 2013

Relatório Avaliação Institucional 2014

Relatório Avaliação Institucional 2015

Relatório Avaliação Institucional 2016

Relatório Avaliação Institucional 2017

Relatório Avaliação Institucional 2018